Fique por dentro do Cursinho da Poli



Vestibulares e Enem

100 anos de Revolução Russa - Conteúdo Fuvest 2ª fase



O Cursinho da Poli, mais uma vez, demonstra que tem proporcionado temas antecipados e conteúdos assertivos para quem está se preparando para as provas. 

Confira a questão e, em seguida, o texto da professora publicado em nosso site há um ano (Clique aqui para ver a publicação original):

Questão da Fuvest 2018 - 3º dia da 2ª fase:

Come ananás, mastiga perdiz.
Teu dia está prestes, burguês.

Vladimir Maiakóvski. Come ananás, 1917.

Cidadão fiscal de rendas! Desculpe a liberdade.
Obrigado... Não se incomode... Estou à vontade.
A matéria que me traz é algo extraordinária:
O lugar do poeta da sociedade proletária.
Ao lado dos donos de terras e de vendas
estou também citado por débitos fiscais.
Você me exige 500 rublos por 6 meses e mais
(...)
Cidadão fiscal de rendas, eu encerro.
Pago os 5 e risco todos os zeros.
Tudo o que quero é um palmo de terra
ao lado dos mais pobres camponeses e obreiros.
Porém se vocês pensam que se trata apenas
de copiar palavras a esmo,
eis aqui, camaradas, minha pena,
podem escrever vocês mesmos!

Vladimir Maiakóvski. Conversa sobre poesia com o fiscal de rendas, 1926.

a) Indique duas características da produção cultural na Rússia, nos anos posteriores à Revolução de 1917.

b) Identifique e comente uma crítica e uma proposta de mudança presentes nos dois poemas.

 

Texto por Kaili Takamori*:

Bebe e celebra! Desata
nas veias da primavera!
Coração, bate a combate!
O peito – bronze de guerra.

(versos finais do poema “Nossa Marcha”, Vladimir Maiakóvski, 1917.)

Há cem anos, no final do inverno russo de 1917, eclodiu a primeira fase de uma revolução que abalou a Europa. Em fevereiro daquele ano as forças mencheviques, uma das alas do Partido Operário Social-Democrata da Rússia (POSDR), derrubaram a dinastia dos Romanov que governava o território com mãos de ferro há séculos.

O que se assistia naquele momento não era fruto de forças afoitas ou um oportunismo situacionista, mas o resultado de um descontentamento maior que pairava sobre o solo russo há décadas.

Às vésperas da Revolução, a população russa era composta de pouco mais de 160 milhões de pessoas, sendo que 87% viviam na zona rural. As condições dos camponeses eram precárias, explorados por uma aristocracia rural e a mercê das constantes alterações da produtividade – dadas as técnicas rudimentares e as adversidades naturais. Embora a economia russa fosse majoritariamente rural, nos meios urbanos despontavam alguns centros fabris e, nestes, as condições do operariado não eram muito melhores: além de condições de trabalho aviltantes e baixos salários, os trabalhadores ainda tinham que driblar o alto custo de vida nas cidades.

A participação da Rússia na Primeira Guerra Mundial (1914-1918) serviu essencialmente para duas questões: evidenciar a discrepância entre esta e as outras nações europeias – aliadas ou não – e endossar o discurso dos opositores ao governo. O coro daqueles que criticavam o czar crescia dia após dia.

O que existia ali era um barril de pólvora prestes a explodir e o POSDR, que se colocava como a grande frente oposicionista, apenas ateou fogo naquele pavio. A primeira fase revolucionária esteve sob o comendo dos mencheviques que, ao tomarem o poder, mantiveram uma postura de maior proximidade com os setores burgueses, de modo que as demandas sociais e as necessidades mais imediatas do povo não foram resolvidas naquele contexto. O descontentamento com o governo provisório só aumentou, em especial, com a manutenção do país na Guerra.

Vladimir Maiakovski (1893-1930) foi um poeta russo, partidário bolchevique – ala marxista do POSDR –, entusiasta e um dos grandes artistas da Revolução. Escreveu ainda no ano de 1917:

Come ananás, mastiga perdiz.
Teu dia está prestes, burguês.

O processo revolucionário viveu o seu segundo momento quando forças bolcheviques, em outubro do mesmo ano, derrubaram o governo provisório estabelecido pelos mencheviques. A aliança com a burguesia, tal como ilustrada pelos versos do poeta, e as mudanças com moderação, não eram bem vistas pelos bolcheviques, que sentiam a necessidade de ações mais imediatas.

O caráter socialista que a Revolução tomou a partir da ascensão dos bolcheviques despertou nas potências europeias o temor de que aquilo se alastrasse pelo continente. O apoio daquelas à ala menchevique desencadeou uma guerra civil, que se arrastou até 1921 com a vitória dos bolcheviques. Findada a Revolução, era o momento de construir uma nação conforme os ditames propostos pela ideologia socialista que permeava os discursos até então.

Com a visão privilegiada que a história nos propicia, cem anos após a eclosão da Revolução Russa, é possível perceber que muito do que se idealizou não aconteceu, muito do que se propôs ocorreu, mas de forma adaptada ou deturpada. Ao historiador ou ao estudante da história não cabe o julgamento, mas sim a análise dos fatos e do processo, a compreensão dos agentes históricos e contextos em que tudo se desenrolou.

O que aconteceu na Rússia alterou a ordem vigente e estabeleceu um novo ordenamento. Por este e outros motivos é inegável a importância da Revolução de 1917 como um dos grandes marcos do século passado, afinal, quantas foram as reais revoluções que vivenciamos ao longo da história?

*Kaili Takamori é professora de História do Cursinho da Poli


Voltar


Categorias em Destaque

Arquivo


Pesquise o que procura